quinta-feira, 17 de março de 2011

Entrevista com Mário - Texto Vencedor

Mário? Que Mário?
Hoje, tivemos o prazer de entrevistar, e conhecer um pouco mais do universitário que, na faculdade, poucas vezes chega no horário. O futuro jornalista e romancista, Mário.
Este jovem morador da freguesia do Ó, por ser universitário, já é um revolucionário. Contrário as suas raízes, é o primeiro na família a cursar uma faculdade. Tem os vícios de escrever romance e fumar, apesar de não admitir ser fumante. Toma como virtudes o romantismo incendiário e autoritário, o carisma solidário e o caráter arbitrário.
No dia 09 de Fevereiro de 1986, o aquariano, Mário da Costa Ferreira Silva teve seu nascimento extraordinário. Nasceu em um Táxi, em frente à Maternidade de São Paulo, pegando um atalho para o berçário.
Até o seu décimo segundo aniversário, Mário, morou em Taipas, onde teve a infância marcada pela pobreza, fome, alcoolismo na família. O que, por algumas vezes, quase fez membros da família acabarem no obituário. Mas existem males que vem para o bem. Com uma infância dessas, Mário, aprendeu a ser um rapaz solidário, comunitário, arbitrário. Claro, sem perder a malandragem, Daí a sua frase: “todo mundo tem um preço”.
O jovem Mário começou no trabalho vendendo bala no farol. Treze anos, menos de um salário. Vida dura dividida entre a leitura e o trabalho, a virada veio aos poucos para família e para o próprio Mário.
Diz ele que se tornou um cara mais romântico quando mergulhou no mundo literário. O que, futuramente, daria a base para correr atrás do seu sonho; o de formar uma grande família e deixar romances como legado literário.
A vida amorosa de Mário pode ser resumida pelo samba Mulheres, de Martinho da Vila.
Já tive mulheres de todas as cores, de várias idades, de muitos amores.
Com umas até certo tempo fiquei. Para outras, apenas, um pouco me dei.
Já tive mulheres do tipo atrevidas, do tipo acanhadas, do tipo vividas, casadas carente, solteira feliz.
Já tive donzela e até meretriz. Mulheres travessas e desequilibradas. Mulheres confusas, de guerra e de paz”
Já a conduta amorosa de Mário pode ser dividida em duas fases: O antes e o depois da leitura de O meu Pipi – De Mário Prata, um livro que descreve a vida de um homem que é mais “autoritário” nas relações amorosas.
·         Antes de O meu pipi – Mário era um amante de romantismo incontrolável, a nível meloso. O que ,diz ele, o fazia ser tratado por suas parceiras como a um otário.

·         Depois de O meu pipi – Mário se tornou um amante mais “Autoritário” em suas relações, sem deixar de ter um romantismo incendiário.

Mário deixa explicita sua visão sobre como se deve viver um relacionamento, em um singelo comentário: “O importante é ser livre”.

Nos dias de hoje, o universitário, de 25 anos, aposta seu futuro no Jornalismo. Mário afirma que não foi páreo para as matérias de exatas do curso de Administração, por isso desistiu da primeira faculdade, após o terceiro semestre. Agora, vive muito animado com a sua nova sala, o que o faz acordar cedo como maior prazer.
Autor: Escritor do texto nº 15

Nenhum comentário:

Postar um comentário